sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Lojinha no enjoei.com.br



É O SEGUINTCHEE

Virei minha casa de ponta cabeça numa tentativa maluca de praticar o desapego e arrecadar uma grana de final de ano, pra ser feliz e botar pra frente meus projetos do ano que vem. Fiz tudo isso criando uma lojinha nesse site todo querido: o Enjoei.

Sério, depois que descobri esse site, minha vida mudou. Você acha TUDO lá, com preços bem acessíveis, e a maioria em bom estado (alguns até nunca usados... sabe aquele presente que você ganhou mas nunca usou? pois é) além disso a compra é bem segura e eficiente.

Mas é impressionante mesmo a quantidade de coisa que achei e decidi botar a venda. No primeiro momento eu pensei "ah, nem tenho tanta coisa assim", mas vasculhando nas profundezas do meu guarda-roupa eu achei aquelas peças que não uso há muito tempo ou nunca usei, e só ficava lá ocupando espaço no armário e na minha vida. E aí foi batata. Comecei a lembrar de cada vez mais coisas que eu só guardava (sei lá pra que) mas que não me interessava mais, incluindo roupas, sapatos, livros, bugigangas... enfim. Mutchas coisitas.

E ALÉM DISSO, decidi colocar a venda também a coleção completa e autografada de Vidas Imperfeitas. Isso mesmo. Mesmo o site ficando com 20% da venda, achei que valeria a pena pelas facilidades. Vou testar pra ver se rola =D Por isso, pelo menos por enquanto, estou fazendo as vendas por lá.

Pra comprar essas lindezas, é só clicar na imagem abaixo:



CURTIU ESSA IDEIA? ENTÃO BORA VISITAR A LOJINHA DA MARY.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Meus projetos!

Eu sou assim, viciada em começar novos projetos. Minha cabeça sempre anda cheia de ideias, e a maioria delas nem chega a se concretizar. Meu problema mesmo é não ter forças nem motivação pra levar um projeto até o fim. Quem me acompanha já sabe disso, mas o Vidas foi meu primeiro grande projeto concluído, e às vezes me dá um medinho de que eu não vá conseguir concluir mais nada. E não estou falando apenas de quadrinhos, não. O problema de fazer HQ é que demanda muito tempo, e você fica no mínimo uns 3 meses em cada projeto. Isso se a inspiração estiver a mil. Eu aproveito que o universo do Vidas ainda está vivo, está todo alí pronto, e ainda escrevo/desenho sobre ele. Porque tá fácil, tá na mão: é só fazer. Esse ano começou acelerado, e não tive tempo pra NADA. Mas mesmo depois que virei freela, não consegui mais ajeitar meu tempo nem minha cabeça pra botar pra frente um projeto totalmente novo. A única coisa que ando fazendo mesmo é aquela side-story da Suzana.

Eu acho que esse final de ano merece uma boa organizada na vida, na mente e nos meus objetivos, pra já começar o ano que vem focada no que precisa ser feito. E cara, isso é importante. Acho que a minha ressaca pós-Vidas foi bastante longa, e tá na hora de voltar a colocar a mão na massa de verdade e a publicar histórias novas. Eu sei que fiquei enrolando uma vida toda pra dizer isso, mas: novas histórias virão!

E então, que este post sirva de guia até para mim mesma, com ideias e prioridades pro ano que vem:


1. SIDE-STORIES DO VIDAS



Bom, basicamente o que estou planejando para o começo do ano que vem é lançar com a HQM um compilado de side-stories de Vidas Imperfeitas. A side da Suzana tá quase no fim, e estou pensando em lançar também "Norah" (dá pra ler no menu Download) e preparar mais uma ou duas histórias curtas pra fechar uma edição. Isso me dá pouco tempo pra produzir... mas mesmo que não saia no começo do ano (o que espero que aconteça) fica pros próximos lançamentos. Quero fazer isso acontecer.



2. HQ ESPACIAL



Confesso: Interstellar bugou meu cérebro. É foda quando você passa tanto tempo construindo um universo, criando personagens e histórias para eles, fazendo pesquisa, procurando referência, e então BAM, tudo que você achava que sabia sobre sci-fi espacial muda na sua cabeça de repente. Eu acho que estava focando nas coisas erradas... talvez eu estivesse com medo de apostar no que eu acho mais interessante sobre o mundo no geral: as emoções humanas. Eu preciso pensar num plot bacana e numa forma inteligente de conta-lo dentro do universo que já criei como pano de fundo. Apesar de estar totalmente bugada pra pensar nessa HQ, quem sabe o tempo não me dê uma resposta.



3. ARTBOOK "LOVERS"

(estudo de capa, mas curti pacas!)


Esse ano vi uma infinidade de artbooks FODAS de artistas que nem conhecia e fiquei com muita vontade de fazer um artbook com minhas artes. Como tema, decidi que seria sobre "lovers", que se pensar bem é um tema bem abrangente, e conversa com temas muito presentes em praticamente tudo que eu faço, que é: sensualidade, romance, cumplicidade, casais se pegando (hehe), nudez, etc. A ideia é que seja só de material produzido em sketchbook, mas a parte chata é que não tenho muito material recente de caderno de desenho. Por isso, decidi começar um novo sketchbook pra já ir produzindo artes dentro dessa tema. YAY! (ps. se der tudo certo, a ideia é colocar pra financiamento no Catarse!)



4. Série "Filmes Preferidos"



Comecei há pouco tempo uma série de ilustrações de posters dos meus filmes preferidos. Não defini um estilo pra eles ainda, e talvez eu devesse fazer isso, haha. Eu acho a ideia bacana e inclusive posso dar um jeito de monetizar os posters e arrecadar uma grana extra. Vamos ver como isso se desenrola.



5. CANAL DO YOUTUBE



Eu peguei gosto por gravar vídeos, seja de tutorial, seja vlog, então vou postando semanalmente sempre que possível. Pra ser sincera, acho o youtube mais interessante que as outras redes sociais, e está crescendo aos pouquinhos. Espero que com os vídeos eu me torne mais independente da divulgação em facebook que tem enchido um pouco o saco... enfim. Talvez a ideia aqui é lembrar de continuar produzindo conteúdo interessante pra vocês! xD

Aliás, já se inscreveu no canal?! Se não, clica AQUI.


Bom gente, acho que é isso aí. Parece pouca coisa, mas isso vai me manter bastante ocupada pelos próximos meses. Fora isso, tem todo o meu trabalho como ilustradora, é claro (afinal, artista também tem que comer e pegar conta) mas eu sou assim mesmo: uma coisa de cada vez, tudo ao mesmo tempo!

Evento na Gibiteria + mini resenha de Zero Point

Estava devendo já uns posts aqui mas decidi começar pelo evento da HQM lá na Gibiteria que aconteceu nesse sábado. O lançamento era da nova HQ da editora, "ZERO POINT", do Agustin Nakamura. Ele fez uma apresentação do quadrinho dele, com direito a referências e passo a passo de páginas. Fiquei bastante impressionada. Ele me pareceu o tipo de autor que tem muito esmero (e paciência!) pra produzir, algo em que eu particularmente peco bastante =((


A arte é impressionante e o roteiro é redondo, com direito a reviravoltas, muita ação e um final surpreendente. Realmente não tem do que falar mal. Os enquadramentos dão muita vida e dinamismo pra história, o que é importante pra não deixar uma sequência desinteressante, principalmente quando tem muita ação. Tem uma cena em primeira pessoa que é apenas ANIMAL. Eu me surpreendi positivamente porque não sou uma consumidora assídua de histórias de ação e são raras as que gosto realmente, e acho que essa daria certo em várias mídias, até no cinema, mas foi muito bem executada como quadrinho... dá até raiva! Haha.

(esse é o Agustin e do lado dele.. eu! dã...)

O Agustin é argentino radicado no Brasil, mora aqui há cerca de dois anos. Ele lançou o Zero Point lá na Argentina também, ou seja: sucesso absoluto! Hehe. Trabalhou durante muito tempo com animação e cinema, e diz ele que ficou dez anos sem desenhar nada. Segundo ele, este foi seu primeiro quadrinho longo (com cerca de 200 páginas) que ele produziu por uma "dívida pessoal" por ter ficado tanto tempo sem fazer quadrinhos, que era algo que gostava muito.


O evento na Gibiteria foi muito bacana, gostei bastante, principalmente por ser um ambiente fechado. Fiquei sabendo também que durante a semana rola uma programação bacana voltada pra quadrinho. Lá também dá pra vender/comprar artes dos autores, como posters e material independente. Acho que vou preparar uns posters pra deixar lá também! =B


E quem disse que não teria Vidas também? O mais legal que quem comprou lá, já levou sua edição autografada =D


Pra terminar, mas não menos importante, fiquei sabendo que tem bastante material pra ser lançado entre esse final de ano e o começo do ano que vem, então conversando com meu editor, pensei que seria uma boa ideia fazer uma edição especial com as side-stories do Vidas, inclusive aquela da Suzana que está em produção (juro!!!). Não está nada certo, e vai depender da minha disponibilidade pra produzir o mínimo de páginas, mas pensei já que produzi metade de uma edição, seria desperdício não publicar e tal...

Vamos ver no que dá!! =)

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Vídeo: Meus materiais de desenho - CANETAS



Nesse vídeo faço uma reciclagem de um antigo post aqui do blog (pra ler, clique aqui). Mas espero que com as demonstrações fique fácil de entender como funcionam e pra que servem cada uma delas. E antes que me pergunte como consegui tantas canetas assim, foi algo que fiz ao longo de vááários anos e também porque sou uma viciada em papelaria, HUE.


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O dia que eu disse foda-se



Existem alguns momentos em nossas vidas que são decisivos. Momentos em que precisamos decidir entre continuar vivendo uma triste e pequena vida ou tomar o controle de tudo. Talvez esta seja a primeira vez em que realmente me sinto adulta. Todos aqueles outros momentos, eu estava apenas sendo uma pessoa dependente, tanto financeiramente quanto emocionalmente. Eu me encontrei nesse tipo de situação em que já podia pagar minhas contas com meu trabalho e ainda assim era tratada como adolescente pela minha família. Eu tinha o pior dos dois lados. É difícil crescer e amadurecer nos tempos atuais, e eu sinto que isso mais hoje que antigamente. Nossos pais foram forçados a crescer, trabalhar, formar uma família, construir uma casa e futuro para seus filhos, e isso tudo muito cedo. Hoje sinto que o mundo está tentando nos manter dependentes. E eu não quero isso. Não, não, não! É como um pesadelo.

Existiu um momento da minha vida que eu estava tão triste e deprimida, sendo pressionada por forças que hoje penso serem as forças da minha própria cabeça. Eu era a única que estava deixando aquela situação acontecer. Eu achava que estava apenas sendo uma boa filha, uma boa neta, etc. Mas eu estava sendo covarde. Evitei o conflito durante tempo demais, achando que isso poderia prejudicar a minha relação com as pessoas, mas o que eu não sabia era que o conflito era necessário, quase como uma auto-afirmação e uma confirmação para as pessoas ao meu redor de que: Hey, a Mary cresceu! Eu não sou mais a porra de uma adolescente, apesar de desejar muitas vezes voltar. Eu estou velha. Eu tenho 24 fucking anos e eu espero que as pessoas olhem pra mim com seu devido respeito. E acho que foi bem aí no meio desse turbilhão de coisas que eu disse meu primeiro foda-se, e então, a princípio, todo mundo ficou meio assustado, mas aí começaram a entender...

Eu nunca acreditei na terapia de choque, mas a verdade é que ele funciona, por bem ou por mal. É como tirar um band-aid. Você sofre mais com a expectativa, mas se for rápido, a dor dura apenas um segundo, e então você pode respirar aliviado.

O negócio é que vivi tanto tempo achando que devia satisfação sobre tudo que eu fazia. E hoje me sinto mais livre e sem aquele peso aterrorizante nas minhas costas. Não posso me enganar: ainda sou uma pessoa dependente em alguns aspectos. Acho que todo mundo tem um nível de dependência com as pessoas mais próximas de si, mas acho que é natural, porque não somos 100% autossuficientes. Nós ainda precisamos de pessoas ao nosso lado. Eu acho que tudo isso aconteceu como um rito de passagem, onde finalmente posso dizer que me sinto adulta, e as coisas mudaram, continuam mudando.

"Foda-se" é quase uma metáfora para "andar com as próprias pernas". Não permitir que as pessoas tomem decisões por você, contra a sua vontade. Empoderamento do seu próprio corpo, da sua própria vida, da sua própria mente. Largar os medos ridículos e encontrar seu próprio jeito de viver a vida. É apenas impressionante como tanta coisa mudou desde aquele momento. Hoje me sinto mais confortável para andar na rua vestindo o que eu gosto de vestir, sem seguir regras. Mudou também o jeito como as pessoas olham pra mim. Eu não tenho mais o rosto de uma garota de 15 anos (apesar de algumas pessoas me darem uns 19...) e eu tenho opiniões e sou respeitada por elas. É uma sensação nova e boa.

Isso me lembra de como sempre fui uma pessoa emancipada desde a infância, sempre buscando o caminho da independência. Crescer pode ser uma coisa bem traumática, principalmente quando você percebe que já não é assim TÃO jovem, e agora você conversa com amigos seus sobre coisas que acontecerem há dez anos atrás, com folga, como se fosse ontem. É assustador, mas ao mesmo tempo dá uma doce sensação de maturidade.

Vídeo: 5 dicas para criar um roteiro interessante

(Suri fez uma participação bem especial.. preparem-se para um vídeo da louca dos gatos hahaha)

Esse é mais um vídeo da série de "5 dicas" rápidas e práticas sobre algum assunto. Falei pouco sobre roteiro, então aqui vai:


Apesar de existir um tanto de tipos de roteiro, separei as dicas que considero as mais importantes. Não importa o que decida fazer, geralmente não se pode fugir destes temas. Não podemos esquecer que mesmo ideias geniais para uma história não são nada se não soubermos como contá-las. Narrativa é tudo. O simples é bom também, porque perdemos mais tempo construindo uma boa narrativa que ligando fatos... mas esta é apenas a minha opinião. Espero que gostem do vídeo que que isto incentive vocês a escreverem seus próprios roteiros! ;)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...