quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Amizade que vem e vai

(essa foto foi tirada em algum lugar de 2005... sim! há quase 10 anos atrás...)

Tem vezes que bate um sentimento forte dentro de mim, um sentimento de como as pessoas são/foram importantes na minha vida. Como temos amigos incríveis que se perdem no tempo e espaço, pessoas que consideramos demais e com as quais acabamos perdendo o contato. É triste. Mas é fato que os amigos vêm e vão, com a mesma facilidade, com a mesma velocidade... e tudo o que resta são a memórias das coisas que um dia já foram e que jamais serão as mesmas (será?).


(essa é de 2007... com meus amigos "cientistas"! e eu ainda de cabelo liso, minha gente! como as coisas mudam, ou como o tempo muda a gente)

Meus primeiros melhores amigos conheci nos tempos de escola, mas especificamente no colegial. Se antes éramos amigos, nada foi tão intenso quanto estes três anos tão especiais. Eu acho que me descobri. Deixei de ter medo de ser eu mesma, e aprendi muita coisa com nossas diferenças. Nós compartilhamos momentos, felizes ou tristes, descobrimos e redescobrimos paixões, sentimentos, e tudo o que envolve a vida de um adolescente. Mas a gente era nerd, né? Nunca esquecerei as ~disputas saudáveis~ que fazíamos pra ver quem ficava em primeiro lugar no simulado da escola. Talvez a coisa mais valiosa que aprendi foi a de estar sempre em busca de ser uma versão melhor de mim mesma.


Na faculdade, encontrei pessoas que nutriam a mesma paixão que eu pela ARTE. E eu também descobri novos conceitos de arte. Eu aprendi a mudar de opinião. A estudar e a buscar cada vez mais conhecimento, porque sem isso, a gente não é nada. Acho que aprendemos juntos a amadurecer, como pessoas e como profissionais. A vida real, pra quem acaba de sair da escola, é um baque. Responsabilidades, contas pra pagar, um diploma pra conseguir. E então encontrei pessoas incríveis com as quais compartilhava gostos e ideais. Ainda sinto falta das tardes nos ateliês e dos nossos almoços compartilhados...

(foto tirada em 2010 em Inhotim/MG)

Uma das melhores viagens que já fiz foi uma excursão para as cidades históricas de Minas, com a faculdade. Talvez seja porque foi a primeira viagem que fiz estando com meus amigos uma semana direto. Tantas histórias engraçadas e tantas fotos sem noção. E naquela época nem existia esse negócio de "selfie" hehe.


Os melhores amigos que já tive na vida, curiosamente, conheci pela internet, numa época em que me sentia bastante diferente das pessoas ao meu redor. Na internet, pude entrar em contato com pessoas com os mesmos gostos que eu, que não iriam me julgar. É até estranho pensar no impacto que a internet teve na minha vida, ainda mais depois de uma adolescência deveras... turbulenta. Eu era meio tímida e meio deprê, sabe. Mas as coisas só mudaram e pra melhor. Se não fosse pela paciência e amizade dessas pessoas, eu não estaria aqui hoje, pode ter certeza. É uma pena que a maioria delas more tão longe de mim, o que torna nosso contato um pouco limitado, ainda mais depois que nos formamos e começamos a trabalhar. A vida adulta não poupa ninguém. Eu gostaria de dizer que estas pessoas continuam sendo importantes pra mim, mesmos distantes.


E nas poucas oportunidades que tivemos de nos encontrar pessoalmente, eu gostaria que tivéssemos tido mais tempo. Pra bater papo, colocar as fofocas em dia. Sair pra tomar um café, sair pra patinar. Meus melhores amigos moram tão longe, e eu confesso que boa parte do tempo sou apenas uma amiga relapsa. Mas aí me lembro... e sou muito grata por ter todos vocês na minha vida.


Alguns são bros. Desses que a gente acha largado por aí. Brinks.


Outros são como Buda, nos guiando e nos aconselhando.



Alguns são indescritíveis. Cinco anos parecem muita coisa. Parece uma vida inteira, de altos e baixos, de brigas, mas acima de tudo: de compreensão. A gente passou por um monte de coisa, é verdade, mas isso só fez a gente perceber que o diálogo é a resposta pra praticamente tudo. Pensando bem, você está mais perto de mim ainda. Talvez não porque sejamos capazes de aceitar tudo um do outro, mas porque compreendemos que as diferenças fazem parte, e porque somos únicos, cada um com sua visão do mundo.

Por vezes, não entendemos como nem porque. De repente somos amigos. Melhores amigos. Pessoas pelas quais nutrimos uma imensa admiração. E você pode não estar neste post, mas acredite: já fez alguma diferença na minha vida. Porque pessoas são como um pedacinho do céu no caos que é as nossas vidas. E por causa delas, não precisamos andar sozinhos.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Coleção completa e autografada de Vidas à venda

Pois é, pessoal! Demorou, mas decidi abrir as vendas da coleção completa do Vidas Imperfeitas diretamente comigo, ou seja: edições deliciosamente autografadas por mim xD

As vendas vão rolar por tempo limitado, pois não sei até quando conseguirei organizar os envios e etc. Irei disponibilizar primeiro um lote de 10 revistas de cada edição e ir aumentando conforme a demanda. 

Então vamos lá! Fechei 2 pacotes especiais além das vendas avulsas, por isso aproveitem! =)




AVULSOS

Edição 1 = R$8.90
Edição 2 = R$8.90
Edição 3 = R$8.90
Frete = R$2,00 simples ou R$4,50 registrada (para cada edição)

KITS

1 - Coleção completa (edições 1, 2 e 3) + frete = R$32

2 - Coleção completa (edições 1, 2 e 3) + desenho original* + frete = R$40

*desenho/sketch original de algum personagem do Vidas a sua escolha, em tamanho A5

FAÇA SEU PEDIDO

Envie um e-mail para marycagnin@gmail.com com o seu pedido, nome, e endereço completo, que eu retornarei com as informações para o depósito bancário. O pedido será enviado após a confirmação de pagamento.

Obs.

- Pode ser que os pedidos demorem um tempo para serem despachados, pois levarei todos os pedidos ao correio de uma vez no final de cada semana.

- Os pedidos que não tiverem pagamento confirmado em até 7 dias serão cancelados.


É isso aí, pessoal! Se tiverem mais alguma dúvida me avisem!

=)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Páginas da Side-story!

GENTY.

Eu tava fazendo essa side-story quando deu a maior desanimada de todos os tempos e acabei parando na metade =(((

Eu quero muito conseguir terminar tudo, porque gosto bastante dessa história, que inclusive já postei por aqui em forma de narração. Pois é. Decidi postar as páginas que já desenhei, pra vocês verem como está ficando e tudo o mais. Rezem pra que eu encontre forças pra terminar.



Leia AQUI ou aqui:

Vídeo: First Sentence Challenge

Decidi fazer um vídeo diferente dessa vez, um desafio! O Doug, que fez uma participação especial, tinha que escolher 5 livros da minha estante sem eu saber quais eram e falar a primeira frase de cada um deles. Eu teria que adivinhar qual livro era a partir dessa frase. Foi bem divertido e espero que vocês gostem! =D



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Vídeo: Bate-papo com ilustrador Erik Malagrino

O vídeo é da semana passada, mas está valendo. Convidei meu amigo Erik, que é ilustrador, pra falar um pouco sobre sua carreira, como tudo começou, qual sua experiência e dicas para iniciantes. Gostei bastante deste formato de vídeo e descobri meu novo talento como repórter... brinks... e pretendo gravar mais vídeos desse tipo, por isso fiquem ligados lá no canal do Youtube!

O Erik é ilustrador no estúdio Lab307 (veja site) que abriu junto com seu sócio e trabalha principalmente ilustrando pro mercado editorial. Bacana, né? Confiram algumas artes do estúdio:







E agora, confiram o vídeo:





Se curtiu, se inscreve no meu canal clicando no botão aqui embaixo:


terça-feira, 16 de setembro de 2014

As possibilidades de um novo mundo

Algumas pessoas já devem estar a par desta nova HQ na qual estou trabalhando, inclusive já falei sobre ela e postei alguns estudos por aqui. A questão é que ela é tão diferente de tudo que já fiz, em vários sentidos, que ela ficou um tempo parada por falta de inspiração e referências. Eu nunca escrevi uma ficção cientifica nem nada sobre o espaço. E apesar de ter assistido aos grandes filmes do gênero, não era como se eu fosse muito entendida do assunto. A ciência e o espaço num geral me atraem bastante e já vi diversos documentários que apenas confirmavam a minha inabilidade de entender como nosso universo funciona. Na teoria, tudo bem, mas na prática...

Por um tempo tentei encontrar uma essência, um ponto da onde tudo surgiu, tanto para o roteiro quanto para criar a linguagem visual da história. Eu queria que fosse próximo a realidade: se isso acontecesse mesmo, como seria? Mas é difícil trabalhar com as possibilidades do real quando não se é um cientista e não se entende a dinâmica de naves espaciais, etc. Então como criar uma nave que fosse ao mesmo tempo funcional e visualmente interessante? Se eu permanecesse nessa linha de raciocínio, eu iria falhar, iria acabar desistindo... Apesar de eu ter definido boa parte do contexto da história, eu pensei que talvez... TALVEZ o fato de eu não ter muito contato com esse universo fosse meu diferencial, e eu pudesse contar uma historia de um ponto de vista diferente, com naves e elementos visuais que a principio podem não soar muito "reais" mas que se ao menos tivessem algum propósito, então tudo bem.

E então, as coisas voltaram a caminhar como deveriam. Mais devagar do que eu gostaria, mas ainda assim, é melhor que nada. Confesso que às vezes imagino um projeto muito além da minha capacidade, e tenho dúvidas se ele ficará mesmo tão legal quanto parece na minha cabeça, ou se serei capaz de transportar a história da minha cabeça para o papel de forma satisfatória. Isso tudo me dá um frio na barriga, é quase como andar no escuro sem saber se chegaremos em algum lugar. Porém, é essa mesma sensação que torna tão emocionante a arte de fazer quadrinhos.

Como meus personagens, estou mergulhando num novo universo, cheio de novas possibilidades. Eu imaginei como seria se nosso planeta mergulhasse numa nova guerra mundial, a mais horrenda de todas. É um futuro que muitos já tentaram imaginar, afinal, ele é tão distante, mas tão próximo. Pode acontecer a qualquer instante, literalmente. Alguns chamam de Apocalipse, mas é apenas o inevitável. O mundo como você conhece já não existe mais, apenas ruínas e morte. E o que restou?! Algumas cidades, algumas pessoas, uma nova Organização Mundial... e a esperança de que os humanos possam sobreviver em algum lugar. Você olha para o céu. Mas onde?







Eu gostaria de ser capaz de não escrever uma história tão longa quanto o Vidas, mas sabe como é. Eu tento. Este projeto é composto originalmente por contos, que apesar de se passarem no mesmo universo, contam momentos diferentes da história, com personagens de alguma forma ligados uns aos outros. Eu gosto da ideia de apresentar a história a partir dos contos pois o leitor descobre o todo através de fragmentos, o que é meio enigmático e misterioso. Tem tudo a ver com como eu mesma enxergo o universo: ele é tão grande e incomparável que foge da minha compreensão.

Espero poder postar mais novidades sobre este projeto em breve! =)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Sobre sonhos e pesadelos



Existem alguns sonhos que são tão terríveis que fazem a gente soar frio, acordar de supetão, assustado, com o coração acelerado. E eu até sei o que torna esse tipo de sonho tão diferente de outros. Muitas vezes temos sonhos mirabolantes, sem pé nem cabeça, com dinossauros, aranhas gigantes, viagem no tempo, reencontrando amigos de infância, e até mesmo sonhando que somos outra pessoa ou que temos um corpo completamente diferente. Nada disso faz sentido, é claro, e esquecemos facilmente deles assim que acordamos.

Mas existem aqueles sonhos - os pesadelos, eu acho - que você dificilmente esquece. Fica na sua cabeça por horas, até dias. Incomodando. A maioria deles parecia ser tão real, que se você não tivesse acordado alguma hora, você poderia acreditar piamente que era a sua vida real, e que algo terrível estava acontecendo. Ou então sua vida teria mudado pra sempre. Parece que é nossa mente tentando nos preparar para o pior ou nos alertando "tome cuidado, ou isso pode acontecer". Quer dizer, existe uma conexão muito próxima com o real - não são dinossauros, então você acredita.

Já tive sonhos em que estava grávida, ou tinha acabado de ter um filho, e na maioria das vezes, isso me desespera pra caramba. "Minha vida acabou!" ou então "e quanto aos meus sonhos?" e coisas desse tipo. Também já sonhei que fui brutalmente assassinada. Já levei alguns tiros e fui esfaqueada. A parte bizarra é que logo antes de acontecer, sinto uma dor absurda, talvez de como imagino que seja ser vítima de algum ataque do tipo. É quase como sonhar que está beijando alguém sem nunca ter tido a experiência, e tudo o que você sente é um "dançar no vazio". Já sonhei também - e esse sonho foi bem recente - que eu sofria um acidente de avião e antes de acontecer eu sabia o que ia acontecer, então só fechei os olhos e senti algo como a sensação de ser queimada viva com a de ter seu corpo destroçado em vários pedaços. Not cool.

E existem também aqueles sonhos embaraçosos em que damos uns pegas no nosso melhor amigo(a), fazemos algo completamente bizarro ou socialmente inaceitável, falamos algo totalmente estúpido e absurdo, ou senão ficamos tentando consertar alguma situação durante muito tempo sem sucesso. Eu tenho com frequência o tipo de sonho em que preciso fazer alguma coisa aleatória, mas nunca consigo, sempre dou voltas e voltas e sempre algo me impede de realizar o que preciso. E isso me aborrece profundamente. É o medo do fracasso me atormentando.

E às vezes, sonho com pessoas que gostaria de ver, ou com quem acabei de falar antes de dormir. Com personagens de filmes ou séries (e alguns deles renderam coisas bem interessante hoho... abafa). Com histórias que passo imaginando muito tempo na minha cabeça, mas nunca é do jeito que espero. E também que todos a minha volta tem um corpo diferente, inclusive eu, apesar de eu reconhecer e saber com certeza absoluta quem é quem (às vezes, eu até sou um homem!). 

Claro que esses pesadelos sempre me impressionaram, alguns já me fizeram acordar chorando no meio da noite. Uma vez acreditei que meu pai tinha sido abduzido por aliens, e eu juro, parece idiota agora, mas levei tão a sério que acordei soluçando e não consegui mais dormir. Ontem a noite, sonhei com o fim do mundo, e foi isso o que me fez escrever hoje sobre esse assunto. Minha mãe estava tentando colocar um edredom na janela, a fim de diminuir algum tipo de impacto eminente. E eu sabia disso. Seria alguma onda de choque, alguma explosão, algo assim. Depois de um tempo, olhei pra fora e o céu estava preto. Do nada. Por alguma razão, da janela do meu quarto, eu subi na poltrona e consegui ver o "horizonte do mundo". Vi um vulcão entrando em erupção, e eu sabia que aquilo estava acontecendo, sei lá, no meio do oceano, mas eu sabia também que chegaria até a gente. E aí começou a chover uma coisa cinza e tóxica, e a gente não podia sair lá fora, ou sei lá, seríamos derretidos pela chuva. Eu tentava ligar pro meu namorado, pra saber como ele estava, mas ele não atendia e eu nunca senti tanto pânico em não saber se ele estava bem...

Eu não sei o que todas essas coisas significam. Às vezes acho que eu sou a pessoa com os sonhos mais impossíveis. Uma pena eu nunca ter chegado a anotar todos meus sonhos, pois a maioria esqueci. Mas se eu tivesse anotado, seria realmente perturbador. Alguns, porém, continuam ali, me assombrando. Como as possibilidades de um final terrível, onde nada mais resta a não ser esperar a hora de acordar.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Tem projeto novo no ar!

Começou na semana passada mas andei meio dispersa e acabei não postando nada por aqui. O projeto nem tira nem nada, idealizado por mim, surgiu de uma necessidade de produzir, principalmente quadrinhos, numa situação em que eu não tinha inspiração nenhuma. Chamei alguns amigos para participar desse projeto coletivo comigo, para que juntos, um inspirasse o outro. O nem tira (como apelidamos carinhosamente) tem um tema novo toda semana, que será trabalhado pelos integrantes de forma livre e criativa. Cada um interpreta o tema como quiser e a gente vê onde podemos chegar. Ainda não temos muitas diretrizes a não ser a produção e postagem no tumblr. Apenas que é um grupo fechado (já criei grupos abertos que infelizmente não foram a lugar algum - e um grupo restrito é mais fácil de administrar).

Essas foram as duas tiras que postei até agora:

Tema: Fim do túnel


Tema: Renascimento



Se curtiram, visitem a nossa página do Tumblr, curtam e compartilhem por aí ;)

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Vídeo: Sobre o curso de Artes Visuais



Como algumas pessoas me pediram, gravei um vídeo falando um pouco sobre o curso de Artes Visuais. Não falei sobre o vestibular porque muita coisa mudou desde a época que prestei, inclusive as provas já não são mais as mesmas (o meu foi o último ano do vestibular pra Unesp que só tinha uma fase, depois foi pra duas fases e mudou tudo). A única coisa que continua é a prova específica, que consiste também numa parte teórica (no manual do curso você encontra as matérias que caem na prova e os livros sugeridos) e uma parte prática. Se não mudou, a parte prática são 2 desenhos: um de observação e outro é o desenvolvimento de um projeto artístico. Sugiro que procurem as provas antigas pra terem uma ideia da prova. Para saber mais, visite o site do Instituto de Artes da Unesp.

Bom, espero que o vídeo seja útil. Se ainda tiverem dúvidas, deixem nos comentários ;)

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Vídeo: Aquisições da Bienal do Livro (SP)


Já fiz um post falando da Bienal, mas aproveitei pra mostrar as minhas aquisições e comentar um pouquinho sobre elas. Espero que gostem do vídeo! =)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Pergunte ao infinito


Tenho medo de ser uma dessas pessoas que tem respostas prontas pra tudo, opiniões e dogmas imutáveis... acho que a vida se torna mais rica quando você para um pouco e simplesmente se pergunta... por quê?!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...