quinta-feira, 31 de julho de 2014

Vídeo: 5 dicas para publicar quadrinhos



Hoje tem vídeo novo no canal, depois de uma saidinha de férias e uma semana de gripe pestilenta (tô melhor, ufa!). Durante todo esse tempo produzindo e publicando Vidas, as maiores dúvidas que chegavam em mim eram sobre como publicar quadrinhos. De um modo geral não existem regras e cada um trilha seu caminho, mas decidi usar a minha experiência pra dar essas 5 dicas pra vocês. Não existe milagre, apenas trabalhar bastante e acreditar no que se faz. Só isso já é um belo começo! O resto você confere no vídeo:




Se curtiu dá um like no canal clicando no botão abaixo:



segunda-feira, 28 de julho de 2014

Música para sentir [muito]

Confesso que não vou muito em shows. A maior parte da razão é porque sou viadinha e tenho medo da multidão, e a outra parte é porque é caro (e eu não pago mais meia...). Mas o Sesc estava fazendo um festival muito bacana (e barato!) e acabamos indo em um na semana passada. Eu não conhecia as duas bandas que tocaram. A primeira, brasileira, se chamava Huey e fazia um rock bem pesado (me perdoem, mas não sei direito classificar o estilo musical). Se tem um bom momento para curtir uma música pesada é num show, porque tem toda a vibração dos instrumentos, e o local era pequeno e bem espaçoso (não tinha muita gente, e nem era treta). Depois entrou o Dub Trio, uma banda americana, que apesar do visual "engomadinho", era muito boa, e fazia um som grave que - como diz um amigo meu - fazia "coceira no coração". Vibrava por dentro, sabe. Estava tudo muito bacana mesmo, quando eles começaram a tocar essa música que, quando percebi, estava de olhos fechados embarcando numa good trip daquelas. Só não chorei porque me segurei. Tinha muito feeling, tinha algo que tocava bem lá no fundo.... não sei explicar. Acho que essa música fez minha noite e me lembrou que preciso frequentar shows mais vezes nessa vida.

Por mais que não seja ao vivo, recomendo que escute essa música o mais alto que puder (se precisar, com fones de ouvido), e talvez - TALVEZ - você consiga chegar perto do que senti naquele dia.

domingo, 27 de julho de 2014

Um dia no AF e mangás novos

Ontem eu e o pessoal do selo mangá da HQM fomos no Anime Friends pra autografar nossos quadrinhos. O espaço estava um pouco confuso, pois dividimos com o Fanzine Expo, e não tinha placa indicativa da HQM. Por isso, talvez a dificuldade de nos encontrar por lá. Fora isso, foi um dia bem bacana. Me surpreendi demais com o evento, que não ia desde 2012, e não tinha ido ainda neste novo local que é o Campo de Marte (pertinho de casa, aliás!). Tinha muita coisa bacana mesmo. Primeiro que o Fanzine Expo estava perto do stand das editoras. Isso me faz lembrar dos cantos escondidos onde éramos colocados no evento, nas constantes frustrações e descaso da organização. O espaço dessa vez era bem mais privilegiado e atraía a atenção do público.

Fora isso, o evento estava bem maior, com exposições muito legais e um espaço dedicado ao público "nerd" (Star Wars, Game of Thrones, Lego, Playmobil...). Talvez seja uma prévia do que está por vir no Brasil Comic Con, também organizado pela Yamato.

Cheguei um pouco tarde e passei a maior parte do tempo no stand, mas consegui dar uma volta mais pro final do evento pra tirar fotos e comprar coisinhas. Creio que a programação estava bem bacana também, com convidados legais e palestras interessantes.

Mas talvez o ápice do meu dia tenha sido autografar Vidas pro Vitor e Lu Caffagi. Foi um momento de puro nervosismo e emoção. Apesar de eu ter dado a louca e me apresentado primeiro como autora de Vidas Imperfeitas, descobri depois que eles já conheciam meu trabalho, acompanhavam meu deviantart e também este blog! Fiquei bem feliz com a notícia. Quer dizer, eu escrevo aqui e nem sei quem está lendo, e também não conheço todos que leem o quadrinho, e talvez eu seja mais lida do que imagino, rs. Pra você ver como esse mundo é pequeno! (e acabei de lembrar que o Fabio Moon já comentou neste blog...).

Tirei poucas fotos do evento, mas aqui vão algumas:


Construções incríveis feitas com Lego:








Algumas comprinhas:





- Uma caneca do BMO!!! Pra fazer companhia pro meu Finn xD

- Quadrinhos A2 - fazia um tempo que queria comprar pra ler

- Helena, do Studio Seasons, que foi lançado lá no evento - não consegui autógrafo porque a fila estava muito grande...

- Usagi Drop - já me recomendaram esse mangá e estava curiosa pra ler

- Made in Heaven - já tinha lido online, mas estava em promoção kkkk

- Red Garden - confesso que comprei pela capa, a arte é bem bonita

- Who Foghter - mais um do selo mangá da HQM que não tinha lido ainda, então aproveitei pra pegar

-Fanzines: Sigma Pi, Terra Incógnita e Lollypop - aproveitei pra levar porque adoro colecionar fanzines... prometo ler e fazer comentários

O stand da New Pop estava bombando. Confesso que ando muito por fora do que está sendo lançado, mas vi lá alguns diferenciais. One-shots, mangás voltados ao público feminino (josei), entre outros. Muitos eu li online, eram meus queridinhos, e agora estão saindo pela editora.

Acho que tem muita coisa mudando desde a minha época de fanzineira. Mudando pra melhor, inclusive. Fico feliz em ver que o quadrinho nacional está ganhando cada vez mais destaque e espaço nas editoras. Não só isso como o material independente tem ganhado mais força e qualidade, tendo bastante alcance dentro destes eventos e na internet.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Sábado no Anime Friends


Só pra lembrar o pessoal que estarei no Anime Friends esse sábado, dia 26, das 14h as 17h no stand da HQM autografando Vidas. A revistinhas estarão sendo vendidas no stand por apenas R$5 cada!

Vou tentar chegar mais cedo no evento pra poder dar uma passada no Fanzine Expo e em alguns lançamentos.

Quem vai? Vai ser muito bom rever vocês ;)

terça-feira, 22 de julho de 2014

Música para brisar [muito]

Tem música que me faz imaginar histórias inteiras. É uma coisa de louco.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Livro: Eu Amo Viajar

Aqui vai um livro totalmente ilustrado por mim, que fiz enquanto estava na editora, e que saiu agora! O livro tem histórias incríveis sobre um tema que aposto que muita gente aqui curte: VIAJAR. Visite a página do facebook e saiba como comprar ;)

















O maior desafio de ilustrar esse livro foi fazer quase tudo em vetor. Eu prefiro desenhar a mão, mas depois que peguei o jeito do vetor, foi até mais rápido.... tinha bastante coisa! Vocês podem conferir todos os ícones que eu fiz aqui:






sábado, 19 de julho de 2014

quinta-feira, 17 de julho de 2014

The perks of being alive


Você sabe que está vivendo de verdade quando machuca. Machuca porque existem momentos em que você sente uma estranha completude, mas esse momento é raro e dura pouco. Machuca porque a mera lembrança te faz sentir insignificante. Você chora sem nenhum motivo específico. Você sabe que está vivendo de verdade quando você sente. Não apenas as meras sensações físicas, mas algo bem lá no fundo que te toca. Não dá pra dizer se é felicidade ou tristeza, ou sei lá o que, porque tudo que te toca acaba te machucando de qualquer forma. A vida é assim, e de vez em quando nos lembramos que ela não é apenas a nossa caminhada catártica do dia-a-dia ou o conforto de nossas rotinas.


Eu gostaria de lembrar desse momento como não sendo mais uma das imposições ou regras as quais estamos sujeitos todos os dias simplesmente. Eu gostaria de transcender. Mas talvez por querer ir tão longe, eu me perca no meio do caminho, me balance, perca o chão. Mas não tem o que fazer, não sei viver de outro jeito.


Às vezes, nossas vidas são uma ladeira acima ou uma ladeira abaixo, depende do ponto de vista. Alguns preferem uma linha reta. Mas a estabilidade me entediaria até a morte.


Mas estou apenas sendo radical. A estabilidade é necessária, porque a vida precisa de certos contrastes. Não existe alegria sem tristeza e por aí vai... Mas é sim uma questão de perspectiva.


Eu não quero simplesmente ver a vida através de uma janelinha. Eu quero estar lá. E no meio de tantos "querer", sinto essa insatisfação latente. Não é como se as coisas não estivessem boas. Na verdade, eu tenho muita sorte e muitas coisas boas na vida, muitas delas porque lutei muito para ter, de verdade. Mas às vezes, nos perguntamos qual o sentido de tudo isso...


Existem muitos alertas de que é preciso desacelerar, ir com calma. Eu continuo me lembrando das coisas que vivi, dos meus sonhos e idealizações. Existem coisas que vão andar comigo pra sempre. Eu sempre vou sonhar e idealizar demais antes de colocar os pés no chão novamente e me reencontrar. Ainda irei me lembrar das pessoas que encontrei no caminho. Talvez elas nunca saibam que tiveram algum papel no roteiro da minha própria história. As pessoas vem e vão. Algumas ficam, outras não. E isso machuca, também, mais que qualquer coisa.


E eu disse todas essas coisas pra vocês entenderem que se existe uma matéria-prima pra criação, viver de verdade é a maior delas. Não só pela "experiência de campo", mas porque entendemos sentimentos e sensações que não costumamos sentir com frequência. E a dor, acredite, é a maior das inspirações.


Não existe nada como a estrada, como a liberdade, como a beleza que encontramos no mundo. Como dizia uma professora da faculdade, é preciso cultivar o "olhar do viajante" que é o olhar atento, que enxerga detalhes e foge do nosso olhar viciado. Talvez viver de verdade seja saber enxergar.

Ps. Todas as fotos foram tiradas por mim em Serra Negra-SP.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...