domingo, 30 de março de 2014

5 dicas para apresentar um bom portfólio

No vídeo dessa semana dou 5 dicas essenciais para apresentar um bom portfolio, seja online ou "físico", que também é importante ter, para levar em entrevistas e tudo o mais. O mais importante nisso tudo é ser organizado e seletivo, pois isso demonstra profissionalismo. Um portfolio bem apresentado dá resultados muito positivos e aumenta sua chance de conseguir um trabalho. Espero ter ajudado ;)



quinta-feira, 27 de março de 2014

A mente inquieta de um ser incomodado

Às vezes penso em como deve ser bom ser "normal", mas talvez normal não seja a palavra certa. Tem algo sobre a criatividade, algo inquietante que nos impede de viver a vida como se espera, e isso tem tantos pontos positivos quanto negativos. Tem algo sobre ser eternamente insatisfeito com as coisas que também incomoda. Não tem um dia sequer que estejamos completamente a vontade com as coisas (com a vida particular, com a vida profissional, com as relações pessoais, etc) e quando esse dia realmente acontece, de alguma forma parece errado. Porque é como se estivéssemos acomodados com uma realidade que não nos pertence. No geral, nada nunca está bom. Mas tem algo que me incomoda mais que todas as coisas, é quando tenho a sensação de que já não estou fazendo mais isso por mim, que já estou fazendo porque acho que devo alguma coisa a alguém. 

Tem algo engraçado sobre a nossa geração, principalmente quando acompanho canais como o Trampos.co é que as pessoas estão cada vez mais insatisfeitas profissionalmente e estão nessa corrida incessável pelo trabalho ideal. "Está cansado do seu trabalho chato?" é o que mais ouço por aí, e é tão comum mudar de emprego que até eu fico assustada. Seja a busca por um bom salário, seja a ascensão profissional, seja a satisfação pelo que se faz. Pode acreditar, na época dos nossos pais não era assim. Na verdade, em seus sermões sempre ouço o quanto os jovens de hoje são impacientes e já querem começar grande, porque eles estão acostumados com a ideia de viver e "crescer" dentro de uma empresa; começar como motoboy e terminar como chefe de departamento, essas coisas. Não vou dizer que não acontece, porque ainda acontece. Minha mãe trabalha numa empresa há mais tempo que eu existo, e ela conseguiu seu lugar lá. Tem lugar pra todo mundo, pra todo tipo de pessoa, sabe.

Mas a questão é: as pessoas estão ficando cada vez mais insatisfeitas e criteriosas com suas posições, ou o mundo está simplesmente mudando? Para mim, estes são indícios que mostram nada menos do que uma tendência para o futuro. Profissionais ligados a criatividade e comunicação não querem mais viver enfurnados em escritórios fechados, e também não querem a solidão de suas casas no trabalho como freela. Por que não pode existir o meio-termo? Isso é totalmente anti-trabalhista. É verdade que empresas abusam do "PJ" que acaba trabalhando como CLT só que sem os benefícios, mas se o mercado se adaptasse à demanda, e acredito que já esteja acontecendo, então as pessoas teriam mais uma opção de modus operandi de trabalho. Se funciona? Eu não sei.

Sejamos realistas: também estamos nessa corrida, e não é por acaso. Bom, pelo menos eu estou. Nossos pais construíram vidas concretas, e hoje nós temos acesso a praticamente todo tipo de conteúdo através da internet, mas ela é tão subjetiva que não existe mais quase nada de concreto em nossas vidas. Procuramos satisfação em coisas que não conseguimos nomear, e nos sentimentos tristes quando não vemos sentido no que fazemos. Entramos muito cedo na faculdade pra saber se era a coisa certa, e nos formamos quase que completamente inexperientes na vida profissional. Estudamos demais e investimos demais, mas temos que começar do zero. Somos velhos demais para viver com os pais, afinal, também queremos a tão esperada independência, mas não temos "tudo o que precisa" para ganhar suficientemente bem pelo que fazemos - muito menos para nos sustentar mundo a fora. Eu acho que a sociedade não quer que nós sejamos independentes. Outro dia fui cotar um seguro pro carro, e o valor anual era praticamente 1/4 do valor que paguei no carro, só porque eu tinha menos de 25 anos. Eu estou cagando para as estatísticas, mas fazer o que.... é assim que o mundo funciona. No final, estou vivendo perigosamente no trânsito de São Paulo sem um seguro, e quer saber: temos um medo doentio e irreal que foi implantado nas nossas cabeças, de que tudo precisa ser um jeito - e de que você precisa da porcaria de um seguro - porque um dia qualquer uma merda vai acontecer, e você vai agradecer por estar "assegurado". Tenho que admitir que esse medo me assombra às vezes... Mas não existe nada de seguro nessa vida, é tudo ilusão.

Nós colecionamos símbolos, e meu carro foi a primeira coisa concreta realmente minha. Simboliza meu desejo pela liberdade (de ir e vir) e talvez seja um paliativo porque ainda não saí da casa dos meus pais. Quando penso que minha vida poderia ser diferente, com um cantinho só meu, eu me consolo: "Pelo menos tenho um carro" e não preciso depender totalmente de transporte público e nem da boa vontade das outras pessoas. Isso inclui outros problemas que não vem ao caso, mas como disse, realmente me ajuda em vários sentidos. Afinal, os símbolos servem pra isso...

Outro dia estava quase marcando um psicólogo pra mim, estava praticamente certa de que deveria pelo menos tentar. Conheço muita gente que adora, e diz que funciona. Eu não duvido. Cem anos de estudos e evolução no estudo da mente humana não aconteceram em vão. Mas aí eu pensei bem e percebi que não era o que eu realmente queria fazer. Eu queria abrir a aba do blogspot e escrever um post novo e longo sobre a minha (e a nossa?) vida perturbada. E eu não digo isso para desmerecer as pessoas que buscam ajuda profissional para seus problemas, mas eu sou meio sádica e prefiro sofrer na busca solitária por uma solução. Afinal, talvez isso renda alguma boa história.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Mais estudos!

Mais alguns estudos da história que estou planejando fazer. Apesar de não estar 100% confiante que possa fazer um sci-fi de respeito, ando pesquisando sobre o tema pra ficar no mínimo plausível... quer dizer, levando em consideração que é ficção... Mas eu gosto da pegada de Solaris, com um drama interior, meio surreal e sem explicação...




domingo, 23 de março de 2014

Vídeo sobre o processo criativo de Vidas

Pra quem não conhece ou gostaria de saber um pouco mais, nesse video eu conto um pouco do processo de criação do Vidas. Como eu já escrevi num post antigo, não existe fórmula pro sucesso, e cada um tem a sua trajetória própria, mas contanto que você acredite muito no que faz, pode ir muito longe.



Espero que tenham gostado do vídeo! Se tiverem dúvidas ou sugestões, deixem nos comentários. =D

quarta-feira, 19 de março de 2014

Lançamento dos volumes 2 e 3 em Abril

É isso aí, a HQM acabou de informar que o lançamento das últimas 2 edições do Vidas será simultâneo e acontecerá em Abril! Ou seja, coleção completa pra vocês. Mais informações em breve.


sexta-feira, 14 de março de 2014

Video: Meus materiais de pintura

Nesse video decidi mostrar alguns dos meus materiais de pintura (principalmente de aquarela) com algumas dicas sobre eles.



Espero que seja de alguma ajuda ;)

quarta-feira, 12 de março de 2014

Astronauta Magnetar

Agora estou numa busca de boas referências para minha história espacial, encontrei uma HQ do MSP que ainda não tinha lido, o Astronauta Magnetar, de autoria do Danilo Beyruth.

Para baixar ou ler online, clique aqui.

No final, o Danilo conta que fez uma pesquisa pesada em astrofísica para escrever, o que me dá um pouco de medo, porque o que eu entendo do universo é sobre o que aprendi na escola e sobre documentários que assisti por aí. E eu não tenho assim muita familiaridade com os universos do sci-fi, e o que eu entendo é apenas o suficiente para entender a história.

No caso da HQ, a pesquisa deve ter servido pra ambientar de forma plausível o espaço e os acontecimentos porque a história tem muito mais um drama psicológico, algo que gostei bastante e era o que estava buscando com a minha nova história também.

De qualquer forma, fica a dica de leitura dessa HQ. Gostei bastante e é uma das minhas preferidas do Graphic MSP até agora =)

terça-feira, 11 de março de 2014

Uma nova história

Pois é, decidi finalmente botar a mão na massa e colocar pra frente mais um projeto de quadrinhos. Parece loucura porque eu não tenho tempo pra mais nada, mas quem sabe aos poucos as coisas se ajeitem.

Mas eu não quero mais fazer uma história tão longa quanto o Vidas, e isso eu já tinha decidido faz tempo, então percebi que contos eram uma boa saída. Outra coisa que estava pensando em fazer era explorar temáticas que não costumava fazer, como suspense, fantasia ou sci-fi. E foi o que eu fiz. Tive algumas ideias para um sci-fi espacial, meio que uma mistura de tudo o que eu já vi sobre isso e gostei. Minhas principais referências são Prometheus, Solaris, Apollo 18, e também - pasmém! - Doctor Who. Também me recomendaram assistir Battlestar Galactica, vamos ver se consigo assistir para pegar algumas ideias...

Estou terminando de trabalhar no roteiro e já passando para alguns estudos. Pra quem nunca desenhou uma nave espacial na vida, vai ser um belo desafio... mas pelo menos, por ser ficção, não precisa ter 100% de concordância com a (nossa) realidade, apesar de ser baseado nela, então posso inventar (e pirar) um pouquinho.

Essa é Jenny, a protagonista:


sexta-feira, 7 de março de 2014

Não há nada que um Radiohead não deixe mais triste

Talvez seja um momento de inferno astral, com meu aniversário chegando (aceito presentes lol) ou talvez seja apenas uma desculpa para dias ruins. Ontem estava voltando pra casa, com aquela sensação de nhaca podre de uma gripe querendo se instalar, garganta doendo, muitas coisas na cabeça, cansaço físico e mental, e um Radiohead que começou a tocar no rádio... Só queria chegar em casa, sabe. Mas Radiohead tem essa capacidade de entrar na gente, é tão melancólico que quando vi já estava chorando. Eu gosto de chorar sozinha porque não adianta vir dizer que vai ficar tudo bem. Eu sei que vai ficar tudo bem, mas não hoje.

Eu não gosto dessa sensação de estar doente, porque eu sei que fui longe demais, já passei do meu limite, e agora só posso aguentar as conseqüências e esperar por um dia melhor. Toda vez que me forço demais é a mesma coisa, a imunidade abaixa, as perebas começam a se instalar uma atrás da outra (porque tragédia que é boa vem em combo), eu começo a emagrecer e eu sei que pela frente vem um momento de recuperação muito chato e lento. O meu único consolo no meio de tudo isso é que em momentos como esse que costumo produzir coisas realmente tocantes, é o melhor de mim. Irônico...

Fico me perguntando, será que isso não é apenas auto-sabotagem? Na minha necessidade de sentir cada vez mais e mais, vou me pressionando, me levando ao limite... e então BAM! cruzei a linha do que é saudável.

Sei lá...


quinta-feira, 6 de março de 2014

Sobre ser empreendedor e uma loja novinha em folha

Pois é, decidi vender algumas artes originais e montei uma loja que vocês podem conferir aqui. O preço varia pelo tamanho e complexidade. Se der certo, posso fazer algumas artes pequeninas e com preços bem acessíveis, mas por enquanto vamos ver como essas se saem.

Vou te falar, ser empreendedor da própria arte é um desafio. Eu nunca vendi originais antes, apenas fiz trabalhos "por comissão" mas nada que fosse original ou significasse alguma coisa. Ainda estou apegada às minhas coisinhas. Outra ideia é vender prints dos trabalhos, e já tentei colocar no site UrbanArts mas eles nem respondem mais meus emails, então não sei ainda se vai rolar. Estou fixada na ideia de que preciso de uma fonte de renda que "se venda sozinha". Vamos torcer também para que os mangás da HQM cheguem as bancas, porque isso quer dizer mais visibilidade para o Vidas, e quem sabe a promessa de um futuro fazendo quadrinhos.

Sei que muitos perguntam se já tenho algum projeto engatado, e a verdade é que não consigo parar pra projetar mais nada. Ou eu tinha muito tempo livre ou disposição no tempo em que produzia o Vidas. Bom, deve ter sido os dois! Eu sei que existem muitas oportunidades por aí... de fazer quadrinhos... mas eu simplesmente não me sinto a vontade desenhando a história de outras pessoas #prontofalei. Tento responder as propostas da forma mais delicada possível, e não tem a ver com ser bom ou ruim, mas eu acho que prefiro ser ruim, contanto que seja fazendo as minhas próprias coisas. Isso deve soar ridículo, egoísta e sei lá, prepotente?! Mas eu disse na entrevista para o HQ&CIA e a verdade é que sou uma contadora de histórias. Quero contar minhas histórias, seja desenhando ou escrevendo ou sei lá o que. 

Cheguei num momento que estou apostando em coisas diferentes para ver o que dá certo. Ser empreendedor é isso, tem que ir apostando suas fichas, e é cansativo, eu sei. A gente dá com a cara no muro o tempo todo... Ser empreendedor para mim hoje em dia quer dizer a chance de ser um pouco mais que o trabalho fixo me proporciona. Quer dizer poder ir além, transcender. Mas ainda não consigo me jogar nesse universo inconseqüentemente (mesmo as vezes achando que deveria). 

Nessa vida, meu bem, é tudo sobre ir tentando e tentando e, quem sabe, achar um caminho (ou não).

sábado, 1 de março de 2014

Vídeo: Meus materiais de desenho

Mais um vídeo pra vocês! Dessa vez apresento alguns dos meus materiais de desenho... espero que gostem ;)



Acho que vale a pena fazer um revival deste post aqui, em que explico com exemplos cada tipo de caneta que eu uso: Materiais de desenho - canetas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...